Buffer

6 - Diferentes Visões Epistemológicas
Racionalismo e Empirismo

Comparação dos métodos

método dedutivo - método indutivo

O método dedutivo:

  • a partir de premissas verdadeiras, obtem conclusões necessariamente verdadeiras.
  • particulariza as premissas

Crítica ao Dedutivismo

A verdade das conclusões baseia-se na verdade das premissas; e como ter certeza da verdade das premissas? Como vimos na parte anterior, Descartes baseou-se em evidências, mas, de tudo o que vimos até agora, como garantir que uma evidência é verdadeira? Quantas 'verdades' 'evidentes' já caíram por terra?

Por outro lado, fornecer-se premissas das quais um fato possa ser deduzido não é suficiente para torná-lo inteligível:

Por exemplo, se acontece x e (x implica y) então acontece y. Mas, ainda assim, fica a pergunta: porque acontece x?

De fato, em Matemática, apesar do conteúdo dos teoremas já residir, de certa forma, nos axiomas e postulados, esse conteúdo está longe de ser óbvio.

O método indutivo:

  • a partir de premissas verdadeiras, obtem conclusões no máximo prováveis.
  • generaliza as premissas incluindo inobservados (fonte de erro)

Crítica ao indutivismo

O método indutivo é criticado justamente por esse 'salto indutivo' epistemologicamente injustificável do particular para o geral. 

Sempre há o risco da amostra ser insuficiente e/ou tendenciosa.

Ao contrário do que propunha Bacon, visto anteriormente, nenhum número restrito de observações pode acarretar logicamente um enunciado irrestrito. Um milhão de evidências não provam nada!

Mesmo a indução probabilística, que fornece conclusões apenas prováveis, não foge do problema do salto indutivo.

Defesa usual

Uma defesa usual é afirmar que "a indução sempre funcionou no passado". Mas isto também é uma indução pois subentende que ela sempre continuará a funcionar!

Exemplo

É comum ouvir-se a frase "isto nunca aconteceu antes", como argumento de defesa.

Mas isto é um raciocínio indutivo circular, como apontou Hume: como se o fato de nunca ter acontecido antes garantisse que nunca iria acontecer!

O paradoxo do corvo

O paradoxo do corvo, segundo crítica de Hempel:

corvo pretoTodos os corvos são pretos?

Possivelmente todos os corvos que você já viu são pretos.

Cada corvo preto que você já viu corrobora a afirmação 'Todos corvos são pretos'. 
corvo brancoMas, será que existem corvos não-pretos?

Você nunca ter visto nenhum corvo que não fosse preto, prova que todos os corvos são pretos?

Será que não existe, por exemplo, pelo menos um corvo branco em algum lugar remoto do mundo?

Segundo Hempel, para descobrir se todos os corvos são pretos, não precisamos explorar regiões remotas da África ou ilhas isoladas do Pacífico.

De fato, a afirmação 'Todos corvos são pretos' é logicamente equivalente a 'Tudo que não é preto não é corvo'.

Com isso, da mesma forma que

'Este corvo é preto' corrobora a afirmação 'Todos corvos são pretos'

Tudo para o qual se aplique a afirmação

'Este não-corvo não é preto

corrobora 'Tudo que não é preto não é corvo'

que, por sua vez, sendo equivalente,

corroboraria, também, 'Todos os corvos são pretos'.

Por exemplo, em 'maçã' sendo 'não-corvo' e 'vermelha' sendo 'não-preto',

'Esta maçã é vermelha', corrobora 'Todos os corvos são pretos'.

Da mesma forma,

'Esta folha é verde', corrobora 'Todos os corvos são pretos'.

No entanto, 'vermelho' e 'verde' são, ambas, 'não-branco'.

Com isso, 

'Esta maçã é vermelha' e 'Esta folha é verde', corroboram também 'Tudo que não é branco não é corvo'

Mas a afirmação 'Tudo que não é branco não é corvo' é logicamente equivalente a 'Todos corvos são brancos' e, portanto,

'Esta maçã é vermelha' e 'Esta folha é verde', corroboram também a afirmação 'Todos corvos são brancos'!

Mas isto não é um paradoxo, como parece, mas uma deficiência do metodo indutivo na produção de verdades.

Veremos como superar esse problema com o Falsificacionismo de Popper na aula Pós-positivistas.

Ceticismo

O Ceticismo foi primeiramente articulado por Pirro de Élis (séc. III a.C.). Foi revivido por Montaigne (séc. 16) e Pascal (séc. 17), mas seu principal expoente foi Hume.

Trata-se de uma doutrina que afirma que não se pode obter nenhuma certeza absoluta a respeito da verdade, o que implica numa condição intelectual de questionamento permanente.

Hume

HumeConforme vimos na aula anterior, Hume pregava um Ceticismo filosófico e defendia que as idéias só nascem das sensações; o resto, como a realidade, por exemplo, são assuntos de crença.

Pregou a aplicação do método experimental, especialmente o de Newton, aos fenômenos mentais, sendo, assim, precursor da atual ciência cognitiva.

O Ceticismo moderno surge como crítica do Racionalismo ao Empirismo.

Nem o Racionalismo nem o Indutivismo podem levar à certeza da permanência do Universo:

  • o Racionalismo, porque não pode garantir que o futuro vai ser como o passado
  • o Indutivismo, porque, como vimos, generaliza do não-observado ao observado

Assim, para o Ceticismo, a experiência é única fonte do conhecimento, sim, mas não pode fornecer 'conhecimento correto'

O melhor que se pode fazer, assim, é 'se tais e quais condições são preenchidas então seguem-se tais conclusões'.

Com isso, não se pode ter certeza do conhecimento do mundo exterior!

Dogmatismo

Como vimos na aula Epistemologia e seus Conceitos Básicos, enquanto

  • o Ceticismo enfatiza dúvida e relatividade do conhecimento humano, sendo comum em épocas de crise social,
  • o Dogmatismo aceita verdades absolutas, sendo comum em estágios preliminares de movimentos filosóficos.
Dogmatismo

Utilitarismo

O Utilitarismo tem sua origem em Epicuro (séc. a.C.), tendo sido desenvolvido por Bentham (séc. 19) e James Mill, bem como por seu filho, John Stuart Mill.

Segundo o utilitarismo, a experiência não provê conhecimento teórico, mas, sim, conhecimento suficiente para a vida prática.

Enfatizam que a ocorrência repetida de um evento antes de outro não constitui prova de causa e efeito, pressuposto base da inferência.

Por exemplo, o fato de o Sol ter 'nascido' todos os dias durante os últimos bilhões de anos garante que 'nascerá' amanhã?

Iluminismo

O Iluminismo foi um movimento cultural-filosófico ocorrido no final do séc. XVIII, o 'século das luzes'. 

Centrado na França, foi herdeiro da tradição do Renascimento e das concepções mecanicistas da Revolução Científica Europeia do século XVII (veremos mais sobre ela na aula As Contribuições de Galileu e Newton) e do Humanismo, defendendo a valorização do Homem e da Razão. Nas alegorias, sempre aparece a divindade Sofia (Sabedoria) envolta em luzes que representam a clareza que vem do Conhecimento e da Razão.

Iluminismo

Como dito, o Iluminismo foi inspirado na Revolução Científica Européia do século XVII e visava compreender a Lei Natural

Oferecia a Razão e Ciência como explicações p/ o Universo, em oposição à fé.

Acreditava-se que, aplicado a todas as esferas de conhecimento e atividade humana, o pensamento científico levaria ao progresso, após a tradição, irracionalidade, superstição e tirania da Idade Média. Esta ideia irá ser seguida pelo Positivismo e pela tecnocracia modernas, como veremos adiante.

Lutando contra o conservadorismo e os abusos do catolicismo, o Iluminismo teve grande dinâmica nos países protestantes, tais como na Inglaterra, com Adam SmithLockeHume (vistos na aula História da Epistemologia); nos EUA, com Jefferson e Franklin, e na Alemanha, com Kant, tendo sido, por outro lado, mais lento e gradual nos países católicos como Espanha, Itália e Portugal, aqui, apesar da influência do Marquês de Pombal.

O Iluminismo pregava pensar por si mesmo e não se deixar levar por ideologias alheias.

Pregava também uma sociedade 'livre', com mobilidade social e igualdade de oportunidades.

Tinha a visão das riquezas dos países como extraídas terra e da natureza, numa exploração 'científica' da Natureza.

Adam Smith pregava que o indivíduo estava livre para buscar lucro próprio sem escrúpulos, pois acreditava que, de qualquer forma, isso causaria um impulso à Economia e geração de bem-estar geral na Sociedade.

O Iluminismo foi o ambiente intelectual para:

Foi o impulsionador

  • do liberalismo clássico, 
  • do capitalismo, 
  • da democracia e
  • da sociedade moderna

Revolução Francesa

Iluminismo - Revolução Francesa

A Revolução Francesa (1789) foi uma mudança de paradigma:

Iluminismo - Execução de Luís XVI

Anticlericalismo

Como visto, o Iluminismo rejeitava a fé como fonte de explicações p/ o Universo, pregando, antes, a Razão e Ciência como fontes de conhecimento. Por outro lado, lutava contra o conservadorismo e os abusos do catolicismo, acreditando que a Idade Média foi um período de irracionalidade, superstição e tirania religiosas.

Com isso, o Iluminismo posicionava-se como anticlerical, o que não quer dizer anticristão nem ateu, pois lutava contra a influência política dominante do clero, pregando a separação e não interferência entre o poder religioso e o civil.

Diderot, ferrenho anticlericalista do Iluminismo, exprimiu sua posição com a frase que ficou célebre:

"O mundo só estará a salvo no dia em que morrer o ultimo déspota enforcado nas tripas do ultimo padre." (Diderot)

Biblioteca Joanina

Um edifício interessante que ilustra essa visão iluminista é a Biblioteca Joanina, da Universidade de Coimbra.

Foi construída por ordem de D. João V e foi concluída em 1728, num estilo barroco, mas já com influência Iluminista.

Iluminismo - Biblioteca Joanina
Iluminismo - Biblioteca Joanina

Abriga 60.000 volumes em 1.250m²

Iluminismo - Biblioteca Joanina

Clique nesta imagem para assistir a um vídeo da BBC Brasil sobre a Biblioteca Joanina.

Iluminismo - Biblioteca Joanina

Positivismo

Veja também esta página


Referências
As Contribuições de Galileu & NewtonConheça, agora, as contribuições de Galileu e Newton para a Ciência.

Voltar à Parte Anterior


Voltar a Minhas Aulas.


Citar esta página:
dos SANTOS, Renato P. . In Física Interessante. 10 Jul. 2014. Disponível em: <>. Acesso em: .

Voltar ao começo desta página

Voltar à página principal de Física Interessante


e-books Grátis


View Renato P. dos Santos's profile on LinkedIn

Renato P. dos Santos